Architecture Association Visiting School

Conexões Urbanas: Motores para uma Tecnologia Social
Inciting Urban Connection as Engine for Social Technology

Refletir sobre os horizontes da prática da arquitetura é sempre um exercício necessário. Um projeto não deve ser sempre o resultado de uma demanda existente e claramente visível. Deve ser capaz de criar suas próprias oportunidades, reconhecer potenciais latentes em territórios desconhecidos e assim exercitar sua capacidade propositiva.

Maique´s Project é uma proposta crítica de ocupação experimental baseada na intervenção nos estacionamentos da Avenida Paulista. O projeto fez parte do São Paulo Visiting School realizado pela Architecture Association e contou com a colaboração dos arquitetos Daniel Rothschild, Igor Bernardes, Ítalo Fernandes e Ricardo Palmieri.

Processo e Problemas:

Perfil de Maique >> Maique passa grande parte do seu dia (em alguns casos da noite) na Avenida Paulista trabalhando como engraxate. Mora na Zona Leste de São Paulo, área caracterizada pelo menor nível de renda e infraestrutura urbana, com a mãe e irmãos. Assim como todos os outros executivos da Avenida Paulista, muitas pessoas e trabalhadores como Maique ganham a vida neste importante eixo econômico da capital paulistana. O que os tornam diferentes no entanto são: níveis muito distintos de inserção econômica, a desconformidade na qualidade e adequação do espaço de trabalho, a capacidade divergente de aproveitamento dos serviços lá existentes, as distâncias percorridas, tempo despendido para chegar ao local de trabalho, e o reconhecimento desproporcional do valor de suas atividades produtivas.

Uma série de problemas decorre deste cenário:

. Os espaços de trabalho para as pessoas como Maique são hostis numa perspectiva do conforto térmico, níveis de ruído e poluição, falta de segurança e pela condição de “ilegalidade”;
. A renda média adquirida por uma jornada de trabalho (R$50,00) é insuficiente para bancar o custeio de serviços básicos e compra de produtos na região da Paulista, em que se inclui ainda ao valor do transporte, e deixar uma margem de lucro mínima satisfatória;
. O tempo despendido com o deslocamento utilizando o transporte público demanda no mínimo três horas diárias que poderiam ser aproveitadas com atividades mais importantes como estar próximo à família, ter momentos de lazer e descanso, socialização, aprendizado, etc;
. O esforço físico e mental gasto para exercer essas atividades, a falta de reconhecimento e de oportunidades para desenvolvimento pessoal e profissional não contribui para a formação profissional e ainda gera um desgaste físico e mental que cria uma barreira ao crescimento individual;

Espaços de suporte: A condição nômade e temporária do tipo de trabalho realizado pelos trabalhadores nas ruas traz outros transtornos para eles como: a falta de espaços adequados para o descanso, o conserto de equipamentos, atendimentos diferenciados, guarda de material, realização de refeições, socialização com a família e pernoite.

Sobre os estacionamentos: Ao mesmo tempo, podemos identificar muitos lotes desocupados (não-edificados) ao longo da Avenida Paulista, que são subutilizados como estacionamento de veículos. Os veículos particulares, além de neste caso ocuparem um espaço urbano precioso e valorizado que poderia ser destinado para a ocupação humana, provocam um desvafor para a circulação, a qualidade atmosférica e sonora do contexto urbano.
Os estacionamentos localizados nos lotes vagos da Avenida Paulista são claramente uma representação da especulação do espaço urbano para finalidades muito particulares, voltadas para uma microparcela disposta a pagar valores equivalentes a um aluguel de apartamento por uma mensalidade de vaga.

Proposta de Intervenção

Considerando que:
. o preço de uma mensalidade de estacionamento (10,0m2) na Avenida Paulista custe R$300,00;
. a média de renda de um trabalhador de rua na Avenida Paulista seja de R$200,00 semanais;
. que existe uma demanda por espaços de suporte para estes trabalhadores no seu cotidiano;

Propõe-se:
. o desenvolvimento de um protótipo de ocupação dos estacionamentos que esteja dimensionado para caber em um espaço delimitado por uma vaga de estacionamento (4,5 x 2,5m);
. que trabalhadores possam pagar por um aluguel de vaga e ter no seu cotidiano um espaço que poderá oferecer: descanso, proteção, socialização, segurança, alternativa de pernoite, economia de tempo, proximidade da família.

Os estacionamentos são espaços potenciais para uma ocupação experimental, que permita uma conciliação inicial da demanda por espaços para a guarda de veículos e por espaços de uso da população do entorno.
Estes protótipos podem servir como alternativa viável para a manutenção do trabalhador próximo ao seu local de trabalho, evitando gastos com deslocamento desnecessário, gerando alternativa de adequação do seu trabalho frentes às mudanças climáticas, criando áreas para manutenção e guarda de equipamentos, propiciando um espaço de descanso, convívio, intervalo, encontro, permitindo que instale familiares para fazer companhia no seu dia-a-dia, entre outras funções agregadoras.

A etapa de desenvolvimento estrutural do protótipo buscou explorar as qualidades de tensão e flexibilidade de materiais fáceis de montar, desmontar, carregar, acoplar, combinar, sobrepor, tendo como limite uma projeção de 10m2, suficiente para ocupar uma vaga.

 

Este protótipo foi desenvolvido tendo como base a especulação de formatos diferenciados de disposição espacial do protótipo inicial, agora assumindo um caráter mais metamórfico das suas qualidades internas e externas. Foi parcialmente desenvolvido em ambiente digital para estudo de formas de controle de curvaturas, tensões entre materiais, resistência, capacidade de adequação aos limites de tamanho e sobreposição

Materiais com características estruturais distintas podem funcionar de modo complementar, como é o caso da associação do tecido elástico com barras flexíveis. Estruturas auxiliares de controle de tansão como pregas e cabos ajudam a equilibrar as tensões entre materiais diferentes. Características complementares como a resistência a impactos, a impermeabilidade, a adequação ergonômica, a absorção de ruídos, capacidade de sobreposição, resistência a vandalismo, são diretrizes fundamentais para o desenvolvimento de protótipos em ecossistemas hostis e apertados como é o caso do espaço urbano da cidade de São Paulo.

Estratégias de Ocupação

Coexistência / Coexistence
Existência simultânea / Exist simultanealy
Sistemas participantes de uma organização antagônica num ambiente que aceita a existência da cada um deles / systems participating in an antagonistic organization in the world that accepts the existence of each.

Mutualismo / Mutualism
Sistema de associação baseado no princípio de ajuda mútua e contribuição coletiva para benefício de cada membro / association system based on principles of mutual help and the collective contribution to the benefit of each member.

Simbiose / Symbiosis
Qualquer relacionamento de benefício mútuo e interdependente entre dois grupos / any interdependent or mutually beneficial relationship between two groups

Metástase / Metastasis
Retórica: uma rápida transformação, de um sujeito para outro / Rhetoric. : a rapid transition, from one subject to another.

Revolução / Revolution
Mudança radical e pervasiva na estrutura social / radical and pervasive change in the social structure
Substituição de um sistema político estabelecido / replacement of an established political system.
Perturbação moral / moral perturbation.

Guerrilha / Riot
Distúrbio na paz pública de maneira disruptiva e tumultuada / a disturbance of the public peace in a disrupting and tumultuous manner.

 



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *